Corvo

Corvo

Corvo

Devido a sua cor, a seu canto crocitante e por se alimentar de carniça é considerado uma figura de mau agouro como na Índia, que é anunciadora de doenças, guerras e mortes. Porém, esta visão é recente e quase exclusivamente européia, temos muitas culturas que os vêem de uma forma positiva.

No Japão é um mensageiro dos deuses, e segundo a concepção chinesa, um corvo de três pés vive no meio do sol. Deste modo constitui o primeiro dos emblemas imperiais chineses e significa o Yang. Cada perna significa um posicionamento do sol: sol nascente, sol do meio dia e sol poente. Ainda nessas culturas, há também a representação de gratidão filial, pois essas aves alimentam seus pais, o que é visto como um prodigioso restabelecimento da ordem social.

Na Pérsia, os corvos eram sagrados para o deus da luz e do sol, sendo por isso, importantes ao culto de Mitra.

Gregos e romanos relacionam o corvo branco ao deus sol Apolo.

Para os índios norte americanos, ele é o grande civilizador e criador do mundo visível, visão compartilhada também entre os celtas e germanos.

Na mitologia nórdica, dois corvos, Hugin (pensamento) e Munin (memória) estão ao lado do deus Odin, o deus supremo.

Por gostar de viver sozinho, é símbolo da solidão voluntária, que levou o cristianismo a associá-lo aos apóstatas e infiéis. Na idade média também era associado ao pecado capital da gula.

Você pode se interessar também

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
www.000webhost.com