Sonhos, uma linha direta com o inconsciente

Sonhos, uma linha direta com o inconsciente

Sonhos
Sonhos

Os sonhos têm grande destaque desde a antiguidade. Os vários povos já usavam essa ferramenta de alguma forma, inclusive como poderes premonitórios, mas só em 1900, com a publicação de “Interpretação de Sonhos”, escrito por Sigmund Freud, pai da psicanálise, que esse assunto ganhou um cunho mais científico.

Naquele livro, extremamente polêmico para a época, Freud segue um caminho completamente novo, definindo o conteúdo do sonho como realização dos desejos. Para ele, no enredo há um sentido visível considerado uma fachada, e um sentido latente que é o significado, e é este que realmente importa.

Posteriormente, Carl G. Jung lê a obra de Freud com grande entusiasmo e dá um passo além. Para ele, os sonhos não eram só “uma fachada”, mas sim a própria forma do inconsciente se comunicar, buscando sempre o equilíbrio por compensação. Por esse sistema, uma pessoa que sofre de baixa estima pode sonhar que é alguém muito importante, recebendo dessa forma o recado do inconsciente sobre a necessidade da mudança de atitude e postura, reequilibrando dessa forma o processo.

A história nos mostra casos famosos de pessoas que tiveram grandes inspirações nos sonhos. Entre eles podemos citar o Beatle Paul McCartney, que sonhou com uma melodia e ao acordar foi para o piano e compôs Yestherday, um dos maiores clássicos de todos os tempos. Thomaz Edson também vivenciou algo semelhante: estava desenvolvendo o fonógrafo e finalizou seu projeto quando sonhou com uma manivela. Além dos famosos, existem muitos casos de pessoas no dia-a-dia que estão envolvidas com algum projeto e em determinado momento recebem esses “recados” com soluções para problemas que não sabiam como resolver até aquele momento.

Sobre os sonhos premonitórios Jung diz que o inconsciente tem os seus próprios meios para interpretar a realidade; algo que ainda vai se tornar consciente já existe inconscientemente, sendo assim, de alguma forma os sonhos conseguem registrar essa situação e retransmiti-las.

Para utilizar essa ferramenta a nosso favor é importante anotarmos o que sonhamos, ou seja, ter um caderno de sonhos. Para realizar essa anotação passo algumas dicas de grande utilidade:

– Você pode usar um caderno para anotar durante a noite ou ter um gravador. Eu, particularmente, prefiro e recomendo a segunda opção, pois não preciso nem abrir os olhos, apenas aperto o REC do gravador e gravo os detalhes; depois, pela manhã, ouço a gravação e nesse momento transcrevo o que achar necessário para o caderno;

– Se preferir usar um caderno ele deve ficar aberto na página em que serão feitas as anotações e a caneta deve ficar à mão. Se deixar para abrir o caderno à noite ou precisar procurar a caneta, provavelmente, detalhes importantes cairão no esquecimento;

– Se usar um gravador ele deve estar no ponto da gravação, pelo mesmo motivo acima;

– Quando acordar no meio da noite lembrando de um sonho anote-o imediatamente; se deixar para fazer isso pela manhã muito provavelmente não se lembrará do que sonhou;

– Procure anotar, junto com o relato, algumas circunstâncias do dia anterior ao sonho, pois eles podem interferir no contexto do sonho.

Dando a devida importância aos sonhos, anotando-os e verificando o seu significado, abrimos uma linha direta com o inconsciente, e por essa linha podemos pegar recados importantes para o nosso dia-a-dia e nosso amadurecimento como ser humano, transformado-os, assim, em importante aliado na nossa caminhada.

Paz e Luz

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
www.000webhost.com